AMS: Shoeless festival, onde Amsterdã dançou descalça pela última vez

Escute aqui o nosso playlist do Shoeless Festival enquanto lê:

A equação que garante um bom festival na Holanda atualmente é a seguinte: programação incrível + produção incrível + público + SOL. O Shoeless fez ✓✓✓✓ e ofereceu uma despedida regida pelo astro rei, com temperaturas acima de 25•C – provavelmente os dias mais quentes do ano – e fechou o caixa com chave de ouro (literalmente). Foi um mega ambiente para o encontro de todos que foram à procura de novas sonoridades, amizades e experiências. Contamos a seguir o que fez desse festival tão especial!

Os Descalços

O Shoeless festival começou como uma brincadeira de amigos que frequentavam raves descalços que naturalmente iniciaram suas próprias festas, se tornando rapidamente populares onde a tendência foi crescer. Ao longo de dez anos, passaram pelo festival muitos nomes relevantes para a música eletrônica mundial e artistas realmente vanguardistas. “Todos recebem o mesmo valor como pagamento e o mesmo tratamento, e nós garantimos uma experiência igualmente incrível para todos” disse um dos idealizadores do projeto Bas Engels. Quem teve a oportunidade de participar do festival como artista e/ou como público, pôde vivenciar essa maneira de sintonizar frequências que reflete de maneira extremamente positiva no evento como um todo. 

Foto: Priscilla DiebFoto: Priscilla Dieb

Bas se cercou de um time muito dedicado de amigos que foram se profissionalizando ao longo dos anos à medida que os eventos foram tomando maiores proporções, com a participação da diretora criativa Kim Kuijpers os padrões artísticos foram elevados e o evento triplicou os números nos anos seguidos à sua chegada. A quem perguntei “como o Shoeless faz você se sentir?” a reposta foi “lar doce lar” de forma quase unânime. Esse aconchego também é atribuído à Kim.

.
IMG_6554Kim K. e Bas E. e família Alter Ego trouxeram o sol para a última edição do Shoeless    Foto: Joris van Rest

Sábado, dia 4

No primeiro dia do festival o clima era de total frenesi. Sorrisos, pulos e um nervosismo generalizado formavam o vibe. E foi em Ruigoord, pequena aldeia cultural no meio da zona industrial, cerca de 20 minutos do centro de Amsterdã, que todos dançaram descalços pela última vez.

Photo 04-06-16 6 47 33 PMUm dos oito palcos em total estado de ebulição Foto: Priscilla Dieb

P1040191O palco principal no primeiro dia  Foto: Priscilla Dieb

No começo da tarde o portão principal já estava bem cheio, mas tudo fluindo sem stresses afinal não havia venda de ingressos uma vez que já estavam esgotados há meses e isso facilita bastante a dinâmica da hora da entrada dos participantes. Desde as últimas edições o nome dos artistas só era divulgado no dia do evento, de maneira que as quatro mil pessoas que aderiram ao evento foram pelo fator surpresa, confiando na curadoria dos programadores responsáveis pelo conceito Shoeless: o coletivo/empresa Alter Ego. Um ato de confiança mútuo estabelecido desde as últimas edições do evento.

Photo 04-06-16 9 54 08 PMA igreja de Ruigoord Foto: Priscilla Dieb

Photo 04-06-16 9 58 01 PMVárias festas dentro da festa  Foto: Priscilla Dieb

Photo 04-06-16 9 57 04 PMUma das tantas performances incríveis  Foto: Priscilla Dieb

O palco principal apesar de bem bonito, não era imponente e isso ajudou em dispersar a atenção do público. Eram oito palcos onde se distribuíam 39 artistas; djs, produtores, músicos, bailarinos e performers. Impossível ver tudo mas consegui curtir o dj set cheio de groove do coletivo Radio Noet Noet, os beats hipnotizantes do produtor holandês mais celebrado do momento Satori, a performance sempre delícia de Tomash que contou com a participação de A Macaca, ambos do coletivo Voodoohop (e haja saudade das festas maravilhosas que eles produzem em São Paulo) e foi incrível ver o legendário Steve Rachmad tocar um set cheio de disco music preparado especialmente para a ocasião. Mas o grande highlight da noite vai para o pequeno contêiner transformado em palco que apresentou para o público o novo som de Lisboa representado por Dj Maboku (Príncipe discos). Maboku tocou por mais de duas horas seus beats autorais, resultado do trabalho com o parceiro Dj Lilocox (Casa da Mãe Produções). Épico define. 

Descubra as lojas de discos mais legais de Amsterdã

FullSizeRender 5Foto: Priscilla Dieb

FullSizeRenderDj Maboku Foto: Priscilla Dieb
Photo 04-06-16 9 59 20 PMMotel-Motel, o palco mais curtido Foto: Priscilla Dieb

P1030876Motel-Motel de dentro pra fora  Foto: Priscilla Dieb

Domingo, dia 5

No segundo dia, a festa continuou a todo vapor. Dos mais de 30 artistas da programação do domingo, curti bastante ver Genii, o alter ego de Jasper Löwik, um produtor holandês multi-talento que também é responsável pela direção musical do Dialoque, cuja a apresentação foi logo em seguida, combinando música eletrônica e instrumentos acústicos ao vivo. Com muitos músicos no palco, o Dialoque interpretou temas próprios e consegui fazer todo mundo dançar por mais de duas horas. 

O time de djs holandeses foi escolhido a dedo e espalhou boa música por onde passou; Olivier Weiter, Daniel Zuur, Miss Melena e Isis apresentaram música eletrônica de alta qualidade em palcos diferentes celebrando techno, tech house, melodic techno e muita eletrônica. A surpresinha boa do domingo foi o set do residente da Kater Blau de Berlim: The Sorry Entertainer também no curtido palco Motel-Motel. A banda Los Kamer tirou muitos pés do chão tocando ska cigano e o live acústico do Raz Ohara no Salão de Cristal de Ruigoord, foi apaixonante… Que voz, que clima.

Conheça também 5 músicas lindas em holandês, para quem adora Amsterdã

IMG_6567Dialoque   Foto: Priscilla Dieb

Photo 04-06-16 9 40 35 PM

O salão de cristal, um dos palcos mais emocionantes do festival   Foto: Priscilla Dieb

P1040331Raz Ohara no Salão   Foto: Priscilla Dieb

Grand Finale

Ter coragem de parar lá em cima, antes que o galope decrescente natural de que “tudo que sobe desce” se inicie, parece simples mas não é fácil. “Legal quando as pessoas sabem quando parar” disse a minha filha Mariah (16) quando soube que esta seria a última edição do Shoeless, isso me fez refletir um pouco de como é especial quando,  mesmo que só de-vez-em-quando, conseguimos boicotar o piloto automático e transformamos trapo velho em roupa nova ou jogamos o mapa fora e simplesmente optamos pelo caminho contrário. E foi assim que o Shoeless virou mito e deu espaço para o Small Matters criar uma outra história. Santé!

P1040358The last dance  Foto: Priscilla Dieb

Photo 07-06-16 3 41 53 PM                     Hasta la vista Shoeless!   Foto: Priscilla Dieb

Mais música? Temos! 🙂

Foto em destaque: Priscilla Dieb

Siga Almost Locals no Instagram
Acompanhe a página Almost Locals no Facebook

Comments

comments

Tags desse artigo
More from Priscilla Cavalcante

Como curtir o São João no Porto como um (quase) local!

Centenas de martelos plásticos batendo na cabeça de desconhecidos, alho-poró nas mãos dos festeiros,...
Leia Mais