Muito além do Rock in Rio – 10 lugares pra curtir rock’n’roll na cidade

Fachada do Bar Bukowski, porto seguro dos roqueiros cariocas. Foto: Divulgação/Bukowski

O Rio é a terra do samba, do funk e, por que não, do rock? A Cidade Maravilhosa é berço do Rock in Rio, maior festival de música do planeta que acontece a cada dois anos. Mas, no resto do ano, qual é o roteiro dos cariocas que curtem o bom e velho rock’n’roll?

Aqui, a gente reuniu 10 dos principais points pra curtir o som na cidade.

Bar Bukowski

O Bar Bukowski é um porto seguro para quem busca uma noitada regada a muito rock’n’roll. Fundado em 1997, o bar/boate batizado em homenagem ao controverso autor de “Notas de um velho safado” já mudou de endereço duas vezes e hoje ocupa um casarão na Rua Álvaro Ramos, em Botafogo.

Aberta sempre nas noites de sexta e sábado, a casa não tem tempo ruim e vive cheia de roqueiros de todos os estilos. Chegar por volta da meia-noite é garantia de encontrar uma grande fila para entrar. Mas o que atrai tanta gente pra lá? O principal motivo é a garantia de que só se vai ouvir rock a noite inteira, de The Doors a Arctic Monkeys, sem surpresas “desagadáveis”.

Ao todo, são três pistas 100% dedicadas ao ritmo. No primeiro andar do casarão fica a pista principal, a maior e mais concorrida. O segundo andar conta com o Clube do Vinil, uma pequena pista em que você pode pedir ao DJ o que quer ouvir, entre os LPs do acervo – alguns são verdadeiras raridades. Lá, os clássicos dominam as picapes. Já na pista da garagem, nos fundos da área externa, é o rock mais alternativo que dá o tom, recebendo também apresentações ao vivo com bandas locais.

Detalhe importante: na animação da noite, não é difícil se surpreender com as cifras da conta no final. O bar não é barato, mas colocar seu nome na lista amiga dos eventos no Facebook e aproveitar as promoções de doses duplas de destilados e drinques fazem o prejuízo ser menor. Quem avisa, amigo é.

Rock in Rio 2017: 5 dicas pra não passar perrengue no festival

 

A decoração rock'n'roll do Calabouço, na Tijuca. Foto: Site Calabouço
A decoração rock’n’roll do Calabouço, na Tijuca. Foto: Divulgação/Calabouço

 

Calabouço Heavy & Rock Bar

Localizado na Zona Norte carioca, o Calabouço se tornou ponto de encontro de roqueiros dos quatro cantos da cidade. Resultado da combinação de trilha sonora (composta principalmente de classic rock, hard rock e metal), opções variadas de cervejas artesanais e o cardápio, em que o carro-chefe são os hambúrgueres feitos na casa, os “Burgers of Metal”, suculentos e enormes.

O Calabouço fica próximo à badalada Praça Vanhargem, na Tijuca, e tem dois andares. No primeiro, acontecem shows de quinta a domingo, com bandas autorais e covers. No segundo piso, fica um mezanino com vista para o palco.

Casa da Matriz

Com 15 anos de atividades recém-completados, a Casa da Matriz, em Botafogo, é um marco da cena alternativa carioca. É lugar de festas para ouvir hits, mas também pra ficar conhecendo aquela banda da islândia que só o DJ sabia qual era.

O indie rock é a trilha sonora oficial do casarão de dois andares, com duas pistas simultâneas, que também dá espaço para classic rock, punk, alternativo e metal, além de gêneros “coadjuvantes” em algumas festas, como pop, hip-hop e dubstep.

A cada 15 dias, sempre às terças-feiras, o projeto Matriz Live Sessions traz apresentações de bandas de rock ao vivo, num esquema meio happy hour, começando às 21h. Já às quartas, a Matriz costuma ficar lotada, varando a madrugada, com o Karaokê Indie, que, como o nome já sugere, foge do repertório dos videokês convencionais, indo de Beatles a Iron Maiden, de Faith No More a Imagine Dragons. No fim de semana, a programação alterna festas clássicas da casa, como a Sundae Tracks e a Paranoid Android, com outras mais recentes, como a Crush e a Rock N Glow.

A Casa da Matriz era minha noitada favorita nos idos de 2005, quando vim morar no Rio. Hoje, já balzaquiana, confesso que me sinto uma tia nas festas mais descoladas da casa, frequentadas na maioria por jovens na faixa dos 20 anos. Nas festas mais, digamos, tradicionais, a faixa etária do público acompanha proporcionalmente e a tia aqui se sente em casa novamente. P.S.: Saudades da Maldita.

Circo Voador

Quando o assunto é rock nacional, não há maior referência que o Circo Voador. Casa de shows mais emblemática do Rio, quiçá do Brasil, foi lá onde, nos anos 80, estouraram nomes como Barão Vermelho, Paralamas do Sucesso e Legião Urbana. É onde acontecem os melhores shows da cidade.

Seu picadeiro foi armado pela primeira vez no Arpoador em 1982, renascendo na Lapa em 2004. É ali, bem em frente aos Arcos e rodeado de palmeiras imperiais, onde está até hoje. Em sua nova fase, recebe no seu palco todo tipo de bandas de rock – desde veteranas do Rock Brasil, como Titãs, até gringas do circuito indie, como Metronomy. Grandes bandas do metal, do punk e do hardcore também marcam presença na agenda da casa, atraindo legiões de fãs. Napalm Death, Cavalera Conspiracy e Misfits são apenas alguns dos nomes que já passaram por lá.

Uma coisa é certa: show no Circo é garantia de programão.

Empório

Seja para o “esquenta” ou a saideira, o Empório, em Ipanema, é um clássico da noite carioca. Sem cobrança de entrada, o rock domina a minúscula pista de dança no fundo do bar. Ele abre as portas todos os dias, de domingo a domingo, das 21h até altas horas da madrugada, acompanhando a animação dos frequentadores.

O público, aliás, é o mais diversificado possível: metaleiros, indies, playboys, patricinhas, hipsters, gringos, “acompanhantes”… tem de tudo. Para agradar toda essa variedade de perfis, o repertório é composto basicamente por hits do rock, de Deep Purple a The Strokes.

A pista, apertadinha, está sempre lotada, mas o local mais animado é mesmo a calçada, repleta de gente. O esquema é pegar a bebida no bar e encontrar um lugarzinho ao meio-fio. No segundo andar, há um espaço para shows e festas, não necessariamente de rock, com cobrança de entrada. Vale ficar ligado na programação.

 

O Heavy Duty é um tradicional ponto de encontro de motoqueiros na Praça da Bandeira. Foto: Site Heavy Duty
O Heavy Duty é ponto de encontro de motoqueiros na Praça da Bandeira. Foto: Divulgação/Heavy Duty

 

Heavy Duty Beer Club

Há 17 anos instalado na área mais underground da Praça da Bandeira, o Heavy Duty herdou de seu antigo vizinho, o lendário Garage, os frequentadores e o titulo de bar mais rock’n’roll do Rio de Janeiro.

Ele fica nos arredores da mais famosa zona de meretrício da cidade, a Vila Mimosa, e o ambiente, como não poderia deixar de ser, é sem frescura. Ponto de encontro de motociclistas, a casa tem programação de shows ao vivo de quinta a sábado, em que rock clássico e derivações do metal são os gêneros mais tocados, atraindo um público fiel.

O bar abre as portas às 19h para quem está a fim de bater papo, jogar sinuca, beber cerveja e ouvir rock dos bons. Para quem chega mais tarde para ver os shows, a casa passa a cobrar entrada e, uma vez por mês, rola festa em que os ingressos, a preços módicos, incluem bebida liberada. |m|

Imperator

Nos anos 90, o Imperator, no Méier, foi palco de shows que marcaram o imaginário dos roqueiros cariocas. Reaberto em 2012, agora com o sobrenome de Centro Cultural João Nogueira, o Imperator voltou a se tornar referência da cena rock da cidade, agora como Quartel General do movimento Rio Novo Rock, formado para fortalecer o circuito independente local.

Há um ano, a casa de shows abriga o projeto Imperator Novo Rock, que uma vez por mês recebe shows de duas novas bandas, do Rio ou de fora, sempre às quintas. Mesmo sendo durante a semana, a casa fica cheia e cada edição atrai mais gente a fim de conhecer o que acontece no cenário musical da cidade.

Com o sucesso do projeto, outras iniciativas também começaram a acontecer no local. Toda sexta, até 30 de outubro, o terraço do Imperator recebe o Rock On The Roof, audição de álbuns clássicos do rock, com a análise de um convidado especial.

O evento faz parte da programação paralela à exposição “Maldita 3.0”, que conta a história e homenageia a Rádio Fluminense FM, emissora mais rock’n’roll que o Rio de Janeiro já ouviu. A mostra fica em cartaz até 4 de novembro.

Rio, Rock & Blues Club

A Lapa também tem seu bar dedicado ao ritmo. Ex- Rio Rock & Blues Club, o Rock Experience Music Club mudou de nome, mas o espírito da casa é o mesmo: ser a referência quando o assunto é rock’n’roll no bairro mais boêmio da cidade.

Localizado na Rua do Riachuelo, bem perto dos Arcos da Lapa, o Rock Experience possui dois palcos. No primeiro andar, o palco Riachuelo conta com shows de rock e blues que acontecem de quarta a sábado. Já no terceiro andar, o palco Jack Daniel’s recebe eventos e apresentações especiais, de maior porte.

O bar faz o estilo pub, com decoração de temática roqueira. A casa tem até um “museu” dedicado ao rock, com instrumentos, quadros autografados e itens de colecionador, como ingressos de shows e vinis raros.

 

Fachada do Saloon 79, pub com cara de cenário de filme de faroeste. Foto: Site Saloon 79
Fachada do Saloon 79, pub com cara de cenário de filme de faroeste. Foto: Divulgação/Saloon 79

 

Saloon 79

Também em Botafogo, o Saloon 79 é um pub dedicado ao rock’n’roll com decoração que remete aos cenários de filmes de faroeste americano. Desde 2002, é referência na cidade quando o assunto é a combinação de rock e cerveja, seja num esquema happy hour, pra bater papo com os amigos ouvindo boa música, ou pra se esbaldar na pista de dança, com direito a festas temáticas, do rockabilly ao metal.

Aqui, os maiores de 30 anos são maioria e o cardápio é recheado de cervejas artesanais. A programação da casa se destaca pelos shows, que conta tanto com bandas autorais como covers de grandes nomes, como Led Zeppelin, Iron Maiden ou mesmo Raul Seixas. A sinuca e os jogos de fliperama no segundo piso são atrações à parte.

Subúrbio Alternativo

É na calçada em frente de um pequeno bar em Brás de Pina, Zona Norte do Rio, onde novas bandas de rock vindas de toda a cidade encontram espaço para mostrar seu trabalho. O Subúrbio Alternativo literalmente abre suas portas para a cena alternativa local fazer seus shows, sempre ao ar livre e gratuitos.

Dentro do bar, dono de um extenso cadápio de cervejas, ainda acontecem festas nos fins de semana, também de graça. Assim, com boa música e baixo custo, vem conquistando um público cativo e movimentando a região.

Quer saber mais sobre o que visitar no Rio de Janeiro? Entre em contato e saiba como ter um guia do Rio personalizado, com o Almost Locals Experience.


Siga Almost Locals no Instagram
Acompanhe a página Almost Locals no Facebook

Comments

comments

Escrito por
More from Erika Azevedo Leia Mais

13 Comentários

    • Os de Niterói merecem um post à parte. Baita cidade roqueira… |m|
      Obrigada pelo comentário 🙂

  • E a Heavy Duty ? E o Duck Walk Pub? Ambos na Rua Ceará.

    Colocar o subúrbio alternativo e deixar esses dois acima citado de fora é mancada.

    • Já ouvi muito falar mas ainda não fui lá. Tá na lista de pendências. Valeu a dica! 🙂

  • Faltou alguma coisa… na verdade bastantes coisas…. sobre o Empório. De início, uma foto.
    Inaugurado em 1982 e desde então sempre no mesmo lugar, é a casa de rock mais antiga do Rio de Janeiro, a “meca” do Rock na cidade. Por lá passaram bandas diversas, que já atingiram o mainstream – como o Los Hermanos, Matanza e Ratos do Porão – e outras já desfeitas. Empório é rock há 33 anos. Sempre rock quando nenhuma outra casa do gênero existia. É democrático, não cobra ingresso, cabem todos. E como não lembrar do mítico garçon Vicente, o barba, ícone de várias gerações? Em endereço nobre, no coração de Ipanema, fácil acesso a pé, de carro, táxi, ônibus e metrô. Para a tribo dos motoqueiros, punks, skinheads, playboys, mauricinhos, engravatados, gringos e locais, a verdadeira babilônia e pluralidade está lá. E sem perder a essência. Yeah!

    • Escreveu bonito! O Empório é mesmo muito mais do que um ponto de encontro, é um local de resistência rock e pluralidade nessa Zona Sul cada vez mais gourmetizada. Obrigada pelo comentário! 🙂

Os comentários estão fechados