Coisas que você precisa saber antes de passar o réveillon em Copacabana

Queima de fogos no réveillon de Copacabana. Foto: Facebook Réveillon Copacabana
Queima de fogos no réveillon de Copacabana. Foto: Facebook Réveillon Copacabana

Passar o réveillon em Copacabana pode ser uma experiência inesquecível ou uma grande roubada. Afinal, a cada ano, são cerca de 2 milhões de pessoas que se espalham pelos quatro quilômetros de orla do bairro pra assistir à tradicional e exuberante queima de fogos na festa de ano novo oficial o Rio de Janeiro. Sabendo que grandes celebrações públicas na virada do ano são perrengues em potencial em qualquer lugar do mundo (até em Paris, como a Jordana já contou aqui), reuni aqui algumas dicas importantes para tentar reduzir ao máximo o fator V.D.M. (Vai Dar Merda) da situação e você poder aproveitar o réveillon em Copacabana, o mais famoso do Brasil que, sim, pode ser muito divertido. Alias, é um consenso entre as Almost Locals que o Brasil tem o melhor ano novo do mundo.

Chegando e saindo

Entrar e sair de Copacabana pode ser uma verdadeira saga se você não estiver preparado – ou bem informado. Estacionar em Copacabana fica restrito a moradores a partir das primeiras horas do dia 31 e, a partir das 18h, a circulação de veículos fica proibida no bairro. Mesmo táxis e ônibus só têm permissão para rodar até as 22h. Depois desse horário e até as 5h da manhã, os pontos de ônibus são deslocados para Lagoa (na altura do Corte do Cantagalo), Ipanema (Av. Vieira Souto) e Enseada de Botafogo.

Para quem estiver hospedado em um bairro vizinho a Copacabana – Leme, Ipanema ou Botafogo – o melhor esquema é mesmo ir a pé, mesmo que isso signifique uma boa caminhada. Usar sapatos confortáveis, portanto, é uma premissa básica. Muita gente também deixa o carro em um desses bairros e segue andando para Copacabana. Mas arrumar uma vaga não é tão simples e é sempre bom lembrar da máxima “se beber, não dirija”.

Depender de táxi para voltar para casa – a não ser que você tenha algum esquema infalível com um taxista de segurança – é roubada na certa. Durante todo o ano, o Rio de Janeiro parece a capital mundial dos táxis, mas eles desaparecem em dias de chuva e na primeira madrugada do ano. Se você tiver a sorte de encontrar um livre, prepare o bolso. Apesar de todos os anos a Prefeitura ameaçar multar quem não cumprir a lei, a maioria faz corridas “no tiro”, com preço fechado bem acima do que seria cobrado no taxímetro.

Prefira o metrô

Todo ano, o MetrôRio faz um esquema especial para o réveillon em Copacabana. Os bilhetes – de ida e volta, só de ida ou só de volta – costumam ser vendidos com antecedência até o dia 31. Só com os bilhetes especiais é possível embarcar. O esquema especial para o réveillon 2018 ainda não foi divulgado. Mas, todos os anos eles são vendidos em dois formatos: bilhete único para ida e volta e bilhetes individuais só de ida ou só de volta. Eles são vendidos, somente em dinheiro, nas estações Pavuna, Carioca, Central, Glória, Uruguai e Jardim Oceânico, das 10h às 21h.

Na ida para a festa, você pode escolher entre cinco faixas de horário: das 19h até 0h. Isso significa que, se você comprar o bilhete das 22h, você tem que passar na catraca da estação de partida do metrô (Catete, por exemplo) até as 22h59. Já a volta vale para qualquer horário entre a meia-noite e as 5h do dia 1.

É cheio? É. Tem muita fila na volta? Tem, não vou enganar vocês. Mas é bem organizado e as filas costumam andar rápido e sem atropelos. Pra evitar os vagões muito lotados na ida, tente ir na segunda metade da faixa de horário que escolher. Por exemplo, se o seu bilhete de ida vale das 22h às 23h, vá para a estação mais perto das 23h. Os vagões costumam ficar mais vazios.

Na volta, o horário crítico é por volta das 2h. Se puder, evite a estação Cardeal Arcoverde – a mais lotada. Se caminhar um pouco mais não for um problema, vale ir até a Siqueira Campos ou a Cantagalo. Desde o ano passado, o metrô vai também até a Barra da Tijuca – com baldeação em Ipanema, seguindo até a estação Jardim Oceânico.

Onde ficar

A festa do réveillon em Copacabana 2017 vai contar com um grande palco montado na areia. Redondo e com mais de 100 metros de largura, ele vai ficar bem em frente ao hotel Copacabana Palace (próximo à estação Cardeal Arcoverde do metrô). Como não poderia deixar de ser, é nesse ponto onde se concentra a maior parte da multidão.

Se você não faz questão de ver os shows de perto e quer mais é curtir a queima de fogos, vale buscar se distanciar dessa área. Há 10 telões e 30 torres de som espalhadas pela orla, que garantem que você não perca o que está rolando na festa. Do Posto 2 ao Posto 6, qualquer ponto vale para apreciar o show pirotécnico. Quanto mais longe dos palcos, mais tranquilo vai ser para encontrar um espaço para a sua turma na areia. Nesse caso, descer na estação de metrô do Cantagalo é um boa alternativa.

Comer e beber

Quiosques, bares e restaurantes de Copacabana costumam fazer pacotes especiais para a noite de réveillon, com comida e bebida liberada a noite toda e acesso livre pra quem quiser ir e voltar da festa na areia. Não costumam cobrar barato, mas são uma opção para quem busca um pouco de conforto mas não tem a sorte de ter nenhum amigo com a casa aberta no bairro.

Porém, o que mais se vê é gente levando sua própria bebida para a areia. No réveillon, o “isoporzinho” é liberado e difundido, mas nem todo mundo curte o esquema. Também é possível contar com vendedores ambulantes e os bares das ruas transversais à praia para não passar a noite a seco.

Na hora de ir embora, não custa recolher o seu lixo e colocar em uma das caçambas do calçadão. A cidade agradece.

Banheiros

Eis que, depois de muito beber, a bexiga aperta no meio da festa. O que fazer? Para o réveillon de 2018, a Prefeitura do Rio vai disponibilizar 500 banheiros químicos gratuitos montados nas principais vias de acesso à orla, próximos principalmente das saídas do metrô. Não deixe para ir de última hora, pois as filas costumam ser longas.

Alguns bares e restaurantes no entorno da praia também costumam cobrar uma taxa para quem quiser usar os banheiros, geralmente mais limpos e com menos filas. Porém, em último caso, no desespero, é sempre possível contar com a natureza. As noites de verão são quentes e um mergulho não cai nada mal.

Por que ir

O réveillon em Copacabana não é tão famoso à toa. Considerada a maior festa a céu aberto do mundo, combina um mega espetáculo de fogos de artifício com grandes shows de artistas populares, numa celebração democrática e gratuita que reúne todo tipo de gente que você conseguir imaginar. É emocionante, não dá pra negar.

Na virada pra 2018, a festa vai ter 17 minutos de queima de fogos e vai ter como tema o Réveillon do Abraço, uma referência à música de Gilberto Gil que faz uma ode ao Rio de Janeiro. Fora isso, os palcos armados na orla contam com uma animada programação com shows e DJs, que vai das 18h do dia 31 até as primeiras horas do ano novo. A grande atração desta virada é a cantora Anitta. A programação conta também com Frejat, Cidade Negra e  Naldo Benny, além das escolas de samba campeãs de 2017 -Mocidade Independente de Padre Miguel e Portela – entre outros artistas. A lista completa dos shows está no site da RioTur

P.S.:
O objetivo deste texto não é desencorajar ninguém a passar o réveillon em Copacabana. Pelo contrário. Depois dessas dicas, aprendidas com anos de prática, a ideia é que você possa aproveitar ao máximo essa experiência. Eu, inclusive, estarei por lá, tomando espumante na areia e pulando ondinhas. Partiu?

Feliz Réveillon em Copacabana!!

Curtiu? Leia mais aqui:

Réveillon em Lisboa: o que esperar desta noite

Guia de ano novo em Berlim

Natal em Nova York para além das Rockettes e do Rockefeller Center


Siga Almost Locals no Instagram

Acompanhe a página Almost Locals no Facebook

Comments

comments

Escrito por
More from Erika Azevedo

URU: 5 dicas pra economizar tempo e dinheiro ao viajar pra Montevidéu

Nos últimos anos, o Uruguai tem se tornado um destino cada vez...
Leia Mais