Quase Locais LIS: Priscila Roque e Rafael Boro

A cultura portuguesa já era velha conhecida de Priscila Roque e Rafael Boro. Não só por ela ser filha de portugueses e ele também ter ascendência na Terrinha, mas porque ainda quando viviam em São Paulo, Priscila já tocava o Cultuga. O blog era, então, um canal de divulgação do que acontecia no Brasil relacionado a Portugal. Daí que quando Priscila e Rafael decidiram sair do Brasil, era natural que Portugal fosse o destino escolhido.

Há pouco mais de dois anos, o casal de jornalistas trocou São Paulo por Lisboa. Deixou para trás uma rotina de estresse e violência – Priscila conta, com tristeza, que perdeu as contas das vezes em que ela e sua família sofreram assaltos – e se estabeleceu na capital portuguesa.

Nós nunca pensamos na possibilidade de viver em outra cidade portuguesa. Apesar de gostarmos muito de todo o país, temos prazer em conhecer as demais cidades como viajantes e profissionais do turismo. A escolha de Lisboa para ser a nossa casa teve início antes mesmo de eu vir a Portugal pela primeira vez. Entre os anos de 2005 e 2006, comecei a me interessar mais pela cultura portuguesa e passei a consumir música, teatro e literatura do país. Com esse material, construí uma imagem muito romântica de Lisboa. Eu conseguia ver na capital portuguesa tudo o que eu mais gostava em São Paulo somado a esse pulso cultural tão forte do país e das melhores qualidades de uma capital. Foi o barulho, o movimento e, claro, a luz da cidade que nos trouxe até aqui”, explica Priscila, que também é fotógrafa.

cultuga_231015

Em Almada, com Lisboa e a Ponte 25 de Abril ao fundo. Foto: Roberto Cardoso

Os dois já tinham visitado Lisboa de férias, tinham certeza de que essa era a vida que buscavam, passaram quase um ano organizando as finanças e a mudança, até que vieram. O plano inicial era profissionalizar os blogs que cada um matinha: o Cultuga e o Curta Tênis, que Rafael tocava. O Curta Tênis ficou mesmo como hobby e o Cultuga se tornou o foco dos dois. “A gente passou um ano investindo no Cultuga, em layout, nas ferramentas, dando uma cara mais profissional ao blog. E agora começou a colher os frutos”, conta Priscila, entre uma xícara de café e uma fatia de bolo na Padaria Portuguesa.

A Padaria Portuguesa: para um lanche gostoso, rápido e barato

Colher os frutos, no caso, é ver o Cultuga se tornar um negócio de verdade e conseguir a paz que eles buscavam quando saíram do Brasil. “A paz que buscávamos se relacionava com a violência e o trânsito – problemas que vivíamos diariamente em São Paulo. Em Lisboa podemos andar com tranquilidade a qualquer hora, deixamos de julgar as pessoas pela aparência, temos um bom transporte público e, acima de tudo, podemos cuidar mais da nossa saúde física e mental. Para nós, esse é o significado de paz”, diz Priscila.

Nós aproveitamos que os dois são ‘quase locais’ portugueses para descobrir quais são os cinco lugares de Portugal que todo mundo que visita o país deveria conhecer, mas normalmente passam despercebidos nos roteiros de viagem dos brasileiros.

1. Leiria
“É uma cidade fácil de chegar (dá para conjugar com Fátima, Nazaré ou Alcobaça, por exemplo) e esquecida por muita gente. Apesar do abandono de algumas partes do centro histórico, há comerciantes resistentes com excelentes pastelarias, lojas de chapéus, estúdios de tatuagem e tradicionais lojas de roupas. Você sabia que a primeira loja dedicada somente a Nutella em Portugal foi aberta por lá? Há também muita história de Eça de Queirós entre suas ruas, um castelo bem conservado e impecável para a visita, além da limpeza e da cortesia de seus moradores.”

2. Tavira
“É uma das melhores surpresas do Algarve, na nossa opinião. Quem viaja ao sul de Portugal, geralmente está ‘sedento’ por águas cristalinas e esverdeadas, rochas douradas e muitos barquinhos. Seguindo para o lado oposto ao da maioria, sentido Espanha, você encontra a vila de Álvaro de Campos, heterônimo de Fernando Pessoa. Tavira é organizada, bonita e tem uma enorme preocupação em cultivar sua cultura e tradições. Quer uma dica? Vá na época dos arraiais de São João.”

Saiba como fazer uma escapada de fim de semana de Lisboa ao Algarve

cultuga_231015_02

Priscila e Rafael em Tavira, no Algarve. Foto: Cultuga

3. Belmonte
“Deveria ser destino de todos os brasileiros que passam por Portugal por ser a terra natal de Pedro Álvares Cabral e por guardar tanto dessa época. Essa é uma das 12 Aldeias Históricas de Portugal e mantém o importante Museu dos Descobrimentos. Além de oferecer tamanho conteúdo histórico, Belmonte ainda nos mostra uma beleza ímpar daquela região, com a vista para a Serra da Estrela.”

4. Barcelos
“É engraçado. A maioria das pessoas sabe que o galo português se chama ‘Galo de Barcelos’ e, por isso, descobre a existência da cidade, mas acaba por descartá-la do roteiro. Barcelos também tem acesso fácil a partir da região do Minho e pode ser conjugada com Braga ou Guimarães, por exemplo. Ela é conhecida por ser uma passagem importante do Caminho Português de Santiago de Compostela. A cidade mantém uma porção de galos gigantes espalhados pelas ruas, tem como prato principal o delicioso galo assado e seu maior trunfo são os artesãos do chamado ‘figurado’, com raízes na olaria.”

5. Península de Setúbal
“É uma região vizinha a Lisboa, do outro lado da Ponte 25 de Abril. Ali tem uma porção de coisas incríveis para fazer. Indicamos a Vila de Azeitão, uma das nossas áreas preferidas. Há excelentes passeios para fazer, como visitar os principais produtores de vinho de lá, que são José Maria da Fonseca (adega responsável pelo vinho Periquita) e Bacalhôa, além de conhecer o processo artesanal da Fábrica de Azulejos de Azeitão.”

A foto que abre este post é de Caró Vilares.


Quer saber mais sobre o que visitar em Lisboa? Entre em contato e saiba como ter um guia de Lisboa personalizado, com o Almost Locals Experience.

Comments

comments

Tags desse artigo
,
Escrito por
More from Flavia Motta

O melhor bolo de chocolate de Lisboa

Dizem por aí que o melhor bolo de chocolate do mundo é...
Leia Mais

2 Comentários

Os comentários estão fechados