Quase locais de Berlim: a designer Bruna Silva

Para brasileiros, pode ser bem difícil a adaptação em Berlim, a lingua, a cultura. A Bruna Silva está morando em Berlim há mais de um ano e registra essa nova vida no instagram. Designer, ela já passou pelo Impossible Project e mantém seu site com os projetos em que está trabalhando. Além disso, ela viaja e descobre Berlim. Conversamos com a Bruna para entender o apelo de Berlim e saber de algumas dicas quentes da cidade sob a perspectiva de quase locais de Berlim.

Tempelhofer Freiheit, o parque. (Fonte: Bruna Silva)
Tempelhofer Freiheit, o parque. (Fonte: Bruna Silva)

 

Quem é Bruna Silva?

Bruna: Posso ser misteriosa e apenas falar que sou uma designer carioca em Berlin de 27 anos, morando, trabalhando e aprendendo muito sobre mim e sobre a vida em geral nesses quase 2 anos em que estou aqui?

Como você veio parar em Berlim?

Bruna: Desde de pequena eu tinha algo muito forte dentro de mim falando que eu ia acabar em Berlim um dia. Provavelmente porque eu estudei em um colégio alemão no Rio e tive a oportunidade de visitar Berlim umas poucas e rápidas vezes ante de me mudar pra cá de vez. Muita gente que eu encontro por aqui fala a mesma coisa que eu vou falar agora: você sente algo diferente quando está em Berlim. Eu me senti em casa, confortável, livre. Então terminei a faculdade, estava de saco cheio do Rio de Janeiro, tinha um trabalho home-office… senti que a hora de ir pra Berlim tinha finalmente chegado.

Alexanderplatz. (Fonte: Bruna Silva)
Alexanderplatz. (Fonte: Bruna Silva)

 

Conte uma história curiosa sobre morar em Berlim

Bruna: Para mim uma das coisas mais curiosas é aprender a lidar com alemães, pois a cultura é realmente muito diferente. Nós os achamos mais frios e racionais, muitas vezes até grossos. Aprendi que mostrar humildade junto com um bom sorriso e falar desculpa quando você não sabe falar alemão (se você não souber ou não se sentir muito confiante), mas mesmo assim arranhar alguma coisa, já quebra o clima e eles já se abrem um pouco mais. Se eles realmente forem grossos com você, não se intimide, não peça desculpa (nós temos essa mania) e se imponha. Eles respeitam isso e baixam a bola deles.

O que restou do muro. (Fonte: Bruna Silva)
O que restou do muro. (Fonte: Bruna Silva)

 

A Berlim da Bruna

Bruna: Minha Berlim é basicamente diurna. Tem muita gente que vem pra cá e se joga nas noitadas, mas eu prefiro acordar cedo e sair andando pela cidade sem rumo, pois você sempre encontra algo novo/diferente numa nova esquina. Minha Berlim é uma divisão de muito trabalho, correria e cultura. Amo a possibilidade de conhecer mil pessoas diferentes com vários tipos de origens e histórias, coisa que nunca aconteceria no Brasil, pois Berlim é muito internacional. Essas pessoas me trazem novos pontos de vistas, novas experiências, novos contatos e infinitas possibilidades.

Berlim no verão. (Fonte: Bruna Silva)
Berlim no verão. (Fonte: Bruna Silva)

 

Por quê Berlim?

Bruna: Acho que eu já meio que respondi isso ali em cima, mas Berlim pra mim é sinônimo de liberdade e vindo pra cá eu descobri o quanto que isso é o que sempre quis pra minha vida. Liberdade de ser quem eu quiser, de ir e vir com segurança, de não precisar precisar ter um carro pois aqui o transporte público e as bikes funcionam, liberdade de não viver escrava de mil horas de trabalho e dinheiro, já que aqui as coisas são relativamente baratas. Junte tudo isso com todas as pessoas interessantes que você pode encontrar por aqui com a cidade que por si só já é incrível. História, cultura, natureza, espaços urbanos, museus, nightclubs, anarquismos… você encontra de tudo aqui.

Fonte: Bruna Silva
Fonte: Bruna Silva

 

Um restaurante.

Bruna: Só um? Impossível. Mas eu tenho ido muito com o pessoal do meu trabalho no Bastard, que fica em Kreuzberg (Confira nosso post sobre brunches que inclui o Bastard). Comida deliciosa por um preço justo e num ambiente bem cozy. Mas sendo praticamente uma somellier de burgers, não posso deixar de falar do Burgeramt em Friedrichshain, que é o meu preferido. Para comida asiática, curto muito o Transit (Friedrichshain e Mitte), aonde podemos provar de um tudo pedindo vários bowls e tudo muito delicioso e também com um preço justo. Não posso também deixar de falar do Weinerei (Mitte/Prenzlauer Berg), que tem sempre vinhos ótimos, e você paga o quanto você achar que deve!

Confira alguns dos nossos burgers favoritos aqui.

Um programa em Berlim.

Bruna: Ih, depende de muita coisa. Dia ou noite? Frio ou calor? Bom, quando o dia tá lindo, pegue uma bike e vá para um lago oposto de onde você estiver. Provavelmente você vai ter que passar pelo portão de Brandenburgo e pelo Tiergarten, o maior e mais bonito parque de Berlin, na minha opinião. Se estiver frio, vá para museus como o da DDR e o de História da Alemanha e depois (ou antes) vá para um café ou brunch por Kreuzberg ou Prenzlauer Berg. De noite, vá para alguma night como Berghain, Sisyphos ou Renate. Ou apenas fique em algum bar de Kreuzberg ou Friedrichshain como o Lugosi ou o Primitiv ou o Ä em Neukölln.

Confira os nossos parques favoritos em Berlim aqui.

Curtiu conhecer uma outra quase local? Veja aqui o quase local Cartiê Bressão no Rio de Janeiro. Confira também as nossas razões para amar Berlim.

Comments

comments

Tags desse artigo
More from Helena Nacinovic

Cinco motivos para visitar Berlim em dezembro

O inverno no norte da Europa é rígido, mesmo quando é mais...
Leia Mais