LIS: Piknic Électronik Lisboa, o melhor domingo desse verão

Piknic Électronik

Cá entre nós, se você tem mais de 35 anos e começou a “festar” com 15,  o dia em que trocou a balada dos sonhos pelos sonhos no sofá já chegou. Para quem já trocou a noite pelo dia, iniciativas incríveis como o Piknic Électronik Lisboa proporcionam uma maneira diferente de curtir. A faixa etária do público-alvo do evento é tão abrangente que faz dele uma opção incrível para pais e filhos curtirem juntos.

Piknic Électronik

Piknic Électronik
Um piknic diferente

O Piknic Électronik nasceu no Canadá e hoje percorre Montreal, Barcelona, Melbourne, Dubai, Paris, Cannes e Lisboa – o sétimo destino escolhido. Apesar das algumas variações estruturais de cidade para cidade, o conceito original desenvolvido por um grupo de amigos obcecados por bons momentos, se mantém homogêneo. O objetivo do Piknic é servir como plataforma itinerante para quem pretende usufruir de uma tarde de domingo da melhor maneira possível. Isso consiste em: música incrível, atividades para pais e filhos, workshops culinários, food trucks e cocktail bar, reunidos em uma área verde onde os locais, quase locais e turistas possam desfrutar disso tudo. Levar sua própria comida é possível, afinal é um piknic. Porém, bebidas e vidros não entram.

 
Piknic Électronik

 

Piknic Électronik

Tivemos acesso aos backstage, conversamos com os artistas, produtores e público, durante essa edição de Lisboa, e estamos orgulhosos em poder compartilhar essa experiência aqui com os nossos festeiros de plantão e a seguir estão os motivos e detalhes relevantes que fizeram o Piknic Électronik entrar para o  top 10 das festas imperdíveis do verão Europeu em 2015. 

Piknic Électronik

 

A organização

Realizar um evento dividido em 6 domingos não é uma tarefa fácil, é preciso um trabalho em equipe bastante afinado entre diretores de projeto, designers, criativos, produtores, djs, PR’s, fotógrafos, filmmakers entre tantos outros profissionais e o resultado dessa sintonia é conseguir fazer com a festa aconteça da melhor maneira possível.

 
Piknic Électronik
 
O core de qualquer evento musical é a música e apesar disso parecer óbvio, não é. Foi importante entender o critério usado na seleção dos artistas. E foi a curadoria do produtor Vitor Silveira (Dj Ramboiage), que refletiu o olhar e “faro” faro do também dj na programação para que esta funcionasse tão bem.  O Vitor também esteve em constante ping pong com os curadores espanhóis. Segundo ele “trabalhar em equipe é fundamental, seja em qual for a área”. Bingo!
 
Piknic Électronik
 
Para acompanhar todos os detalhes, coordenadora internacional do festival (Alix) mudou-se temporariamente para a Lisboa durante o período do Picknic e se sente muito confortável no país que não lhe é de todo estranho. “Em Montreal existe um bairro “português” e não fica longe de onde moro”.  Esta mudança temporária facilita a execução do projeto, que é acompanhado bem de perto. Entretanto associar-se a parceiros locais, é essencial para que uma marca internacional (até então desconhecida em Portugal) tenha êxito e consiga adicionar valor ao mercado local através de uma série de eventos como este.
 
Piknic Électronik

Sustentabilidade também é um tema abordado de maneira séria pela organização, “meu lixo, minha responsabilidade”. Na entrada recebe-se a informação de que não circula dinheiro no festival e sim um cartão de crédito reembolsável. Os copos também são reutilizáveis e recicláveis e as tampas de garrafas plásticas ficam no bar. Infelizmente algumas pessoas ainda jogam as garrafas no chão e não devolvem os copos, mesmo sabendo que eles valem dinheiro. Para atingir a perfeição no que diz respeito à sustentabilidade, seria necessário que os food trucks também aderissem o conceito plastic-free e não o utilizassem substituindo os utensílios por materiais eco-friendly (o que infelizmente não foi o caso), mas isso tem a ver com a educação ambiental do empreendedor local e não reflete necessariamente a visão do festival.

A experiência

Logo na chegada foi bem fácil perceber o conceito “cashless“, pois não havia filas intermináveis para nada. Como se tratavam das primeiras edições, tudo fluiu lindamente e o meu testemunho é baseado nas duas primeiras edições do Piknic. A produção caprichou no cocktail bar com direção criativa foi assinada pelo barman superstar Fernão Gonçalves. Dica: no cardápio existe a opção “Cocktail Criativo”, pode confiar!  Ou o cocktail de ervilha e rúcula.

 Piknic Électronik

 

Atividades divertidas para as crianças, workshops culinários, um estande da MINI (um dos patrocinadores) e food trucks completavam o cenário. Olha eu pegando no pé dos food trucks novamente: as opções para vegetarianos na primeira edição não eram muitas, o que foi resolvido na segunda edição e pudemos saborear uma tortilha de requeijão bem boa.  

Piknic Électronik
 

A primeira edição 

Em um evento que se divide em seis edições é normal que a primeira enfrente obstáculos e que com a superação destes as seguintes sejam melhores. Para uma primeira edição tudo correu lindamente em termos de organização e produção. Sobre os shows, tive uma surpresa ótima com a performance do Oleg Poliakov, e uma pequena decepção com a performance ao vivo dos dOP, cujo vocalista não conseguiu segurar uma única nota. Mas mesmo desafinado, fez todos se jogarem como se não houvesse amanhã e foi um grande festão.

Piknic Électronik


A segunda edição

A segunda edição do festival apresentou o showcase do selo espanhol Hivern Discs e os djs convidados conseguiram tirar muito proveito do sistema de som. Curti bastante a abertura com a DJ portuguesa Mary B, que ofereceu aos que chegavam um set diversificado e generoso, cheio de clima trazendo aconchego para o ambiente. Em conversa com a DJ, ela disse “tocar em ambientes como o Piknic é extremamente gratificante e rico para qualquer dj”. JMII também fez um live ótimo e Marc Piñol, que tocou “tudo o que quis sem medo de ser feliz” e se diz completamente apaixonado pela “autenticidade” de Portugal, deixou o público preparadinho e feliz  para o  seu o camarada John Talabot.

Piknic Électronik

Com a ajuda do por do sol, John colocou todo mundo na mesma vibe: #nãosaininguém e manipulou o público de maneira mágica para todas as direções e as pessoas o seguiam em um espécie de transe. Fez um set gordo, denso, cheio de deeps, mas também tocou hits como Pale Blue (One Last Thing), Nina Kraviz (Desire), The XX (Fiction Marc Piñol remix), além das suas produções, com um registro autoral que usa e abusa de ritmos africanos associados a elementos sci-fi, blings-bloings-pirilins. Foi bárbaro.
 
Piknic Électronik
 
Piknic Électronik
 
Piknic Électronik
 

E a terceira edição?

Será ainda mais incrível, com o Brasil bem representado pelo Gui Borato, que receberá a pista da dj francesa Chloé e dos anfitriões portugueses Freshkitos e Tiago Marques. E também já confirmados para as próximas edições estão os Buraka Som Sistema, Carl Craig, M.A.N.D.Y, Moullinex, Dj Vibe… e muitos outros.

 
Piknic Électronik

 

Veja o programa completo aqui e se estiver em Portugal, corra para Lisboa!

* Todas as fotos gentilmente cedidas por Piknic Électronik © Tânia Neves – todos os direitos reservados
** Texto originalmente publicado no  www.ChickenOrPasta.com.br  parceiro de conteúdo do AL – todos os direitos reservados

 

Comments

comments

More from Priscilla Cavalcante

AMS: 10 momentos que fizeram do Dekmantel 2016 inesquecível

*Com a colaboração especial de Ramon de Lima O festival Dekmantel, começou na...
Leia Mais