Onde comer na Ilha de São Miguel, nos Açores

Restaurante da Associação Agrícola. Foto: Reprodução / AASM
Restaurante da Associação Agrícola. Foto: Reprodução / AASM

Há poucas formas melhores de se conhecer um lugar do que pela gastronomia local. Com os Açores, não seria diferente. Pescados super frescos e bifes deliciosamente tenros estão à prova em lugares que vão de autênticos botecos a verdadeiros candidatos a estrelas Michelin. Não se esqueça também do típico (e levemente picante) queijo da ilha de São Jorge e do bolo lêvedo, um pão típico local de massa adocicada, que você não deve voltar para casa sem provar. Se você também acha que conhecer um lugar é provar dos seus sabores, vem conferir essas dicas de onde comer na Ilha de São Miguel.

De Lisboa à ilha de São Miguel: incluindo os Açores no seu roteiro de férias em Portugal

Sofisticação em Ponta Delgada

Ponta Delgada não é um destino para turismo de luxo, mas os amantes de alta gastronomia vão encontrar seu lugar por lá. As opções para almoços e jantares mais sofisticados na cidade são o Anfiteatro, o restaurante da escola de hotelaria, e o À Terra, do Azor, o único hotel cinco estrelas do arquipélago. Ambos se baseiam na frescura dos ingredientes locais para oferecer pratos criativos e seus salões oferecem belas vistas da marina.

Salão do À Terra, no Azor Hotel. Foto: Divulgação / Azor Hotel
Salão do À Terra, no Azor Hotel. Foto: Divulgação / Azor Hotel

Uma opção que não é de alta gastronomia mas é concorridíssima (tanto que tivemos que fazer reserva e voltar no dia seguinte) é A Tasca. No centrinho de Ponta Delgada, esse é o lugar para provar comida açoriana servida de forma descontraída. Foi lá que provei as típicas lapas – um marisco em concha, servido com manteiga de alho – e também comi atum selado com gergelim acompanhado por batata doce e inhame. Tudo muito bom. E ,sim, as raízes são outro ingrediente fundamental na dieta local.

Do mar à terra: o que fazer em Ponta Delgada, na Ilha de São Miguel, Açores

O boteco dos chefs

Também fica em Ponta Delgada um restaurante que é querido pelos locais e – dizem – pelos chefs do continente. Oficialmente chamado de Cervejaria Sardinha, o Mané Cigano é um típico boteco português. O salão é pequeno e apertado, o balcão é de alumínio e as mesas são compartilhadas.

No cardápio, há um único prato especial a cada dia da semana e os cinco clássicos de todos os dias. Nós fomos nos recomendados chicharros fritos, peixes pequenos como sardinhas, na crocância ideal. E demos a sorte de passar por lá em dia de polvo guisado com batatas (tão curtidas no molho que chegaram escuras à mesa). Uma experiência de sabor inesquecível.

Lugares para tomar banhos quentes em São Miguel, nos Açores

Chicharros do Mané Cigano. Foto: Flávia Motta / Almost Locals
Chicharros do Mané Cigano. Foto: Flávia Motta / Almost Locals

Alcides: um clássico local

Mas como não se pode falar em comida açoriana sem fazer referência ao bife, é preciso indicar O Alcides. Também no centro histórico de Ponta Delgada, esse restaurante pertence ao hotel anexo de mesmo nome e é tão concorrido que numa noite de segunda-feira de baixa temporada foi a sorte que nos ajudou a conseguir sentar na única mesa não reservada.

O bife é sensacional, macio ao ponto, o molho típico vem com o tempero perfeito para dar aquela molhadinha marota no arroz. Éramos três à mesa e um bife e meio foi mais que suficiente.

Dicas para escolher hospedagem na Ilha de São Miguel, nos Açores

Salão superior do restaurante Anfiteatro. Foto: Flávia Motta / Almost Locals
Salão superior do restaurante Anfiteatro. Foto: Flávia Motta / Almost Locals

Almoçando nas Furnas

Um dos pratos típicos açorianos é o cozido das Furnas. Trata-se de um panelão de carnes (de boi, porco e frango) cozido com legumes nas caldeiras termais das Furnas. Como essa região fica dentro da cratera de um vulcão ainda ativo, seu subsolo tem diversas caldeiras em alta temperatura. É nelas que o cozido é preparado, em horas de cozedura lenta.

O resultado é bem parecido com o cozido que se popularizou no Brasil e vários restaurantes das Furnas oferecem não só o prato como também o mis-en-scene da retirada da panela da caldeira. No Terra Nostra não é diferente. A gente pode acompanhar a retirada do cozido e seguir para prová-lo no restaurante, acompanhado de arroz preparado no próprio caldo do cozido (maravilhoso).

Como fomos convidados mesmo para provar do cozido, experimentamos a cozinha do hotel na entrada e na sobremesa. Comecei o almoço com um tártaro de peixe fresco com pesto de salsa, salada de pepino e alcaparras que estava muito fresco e saboroso. Encerrei com uma sopa de ananás com crumble de especiarias: uma bola de sorvete numa calda quente de abacaxi com o toque diferente dos temperos.

Saiba o que fazer em um dia nas Furnas, na Ilha de São Miguel, Açores

Tártaro de peixe do Terra Nostra. Foto: Flávia Motta / Almost Locals
Tártaro de peixe do Terra Nostra. Foto: Flávia Motta / Almost Locals

Onde comer na Ilha de São Miguel, além de Ponta Delgada

Quando eu achava que já tinha provado as receitas clássicas da ilha de São Miguel – as lapas grelhadas, o atum fresco, o bife impecável, o bolo lêvedo e ananás de diversas formas – eis que Sete Cidades me apresenta um novo sabor local: o queijo fresco.

Feito de leite de vaca, com uma consistência bem macia (tipo um queijo minas frescal, mas menos salgado e mais ‘liso’), ele chega à mesa no restaurante Lagoa Azul servido sobre uma folha de conteira, a planta com propriedades bactericidas na qual o queijo é conservado. Acompanhe com um pouco da pasta de pimenta típica açoriana e temos aí uma entrada que pode muito bem roubar a cena na refeição.

Seguimos com um bifão, vinho açoriano e foi até difícil resistir à vontade de tirar um cochilo depois do almoço naquele dia chuvoso. Vale dizer que a região de Sete Cidades tem escassas opções para comer. Quando estávamos lá vimos também um café e um quiosque para lanches rápidos, à beira da Lagoa Azul (a lagoa mesmo, não confundir com o restaurante onde almoçamos).

Sete Cidades: a natureza exuberante na Ilha de São Miguel, nos Açores

Lapas grelhadas da Tasca. Foto: Flávia Motta / Almost Locals
Lapas grelhadas da Tasca. Foto: Flávia Motta / Almost Locals

Comendo um bifão na Ribeira Grande

O restaurante da Associação Agrícola de São Miguel é uma referência frequente quando se fala em comida na Ilha de São Miguel. Na Ribeira Grande (e próximo à Lagoa do Fogo), ele tem nos bifes a sua especialidade. A carne é servida em três cortes diferentes e o acompanhamento principal é a batata frita – mas se você pedir um arroz, eles fazem fresquinho.

O bife que leva o nome da associação chega à mesa coberto com a pimenta típica açoriana, pouco ardida e muito saborosa, e ainda um ovo estrelado. Há ainda opções de bifes com molhos e nós pedimos o de queijo da Ilha (como não?).

Um dia na Ribeira Grande: do surf ao centro histórico na Ilha de São Miguel, nos Açores

O bifão da Associação Agrícola. Foto: Flávia Motta / Almost Locals
O bifão da Associação Agrícola. Foto: Flávia Motta / Almost Locals

Uma carta de vinhos de mais de 20 páginas oferece rótulos para todos os paladares e bolsos, de diversas regiões de Portugal. O ambiente é agradável, com paredes de vidro que permitem ver o céu, e grandes luminárias tipo cesto de vime dando um charme rústico ao espaço.

De executivos a famílias, nós vimos todo o tipo de cliente ali. E também vimos uma fila considerável se formando da hora que sentamos ao momento que fomos embora. A dica? Faça reserva ou chegue cedo.

Quer saber mais sobre o que visitar nos Açores? Entre em contato e saiba como ter um guia de viagem personalizado, com o Almost Locals Experience.

A série de posts “Açores para Brasileiros” foi idealizada pelos blogs Cultuga e Almost Locals. Essa visita à Ilha de São Miguel, nos Açores, contou com o apoio do Visit Azores, que organizou nosso roteiro; do Hotel VIP Executive Azores (Ponta Delgada), onde ficamos hospedados; da Autatlantis, que nos cedeu o carro durante nossa estadia na ilha, e da SATA – Azores Airlines, que nos ofereceu os voos de Lisboa a Ponta Delgada e de Ponta Delgada a Lisboa. Todas as opiniões neste post são da autora. 

Comments

comments

Escrito por
More from Flavia Motta

LIS: Festival Silêncio ocupa 52 espaços com 194 eventos em Lisboa

Acaba junho mas não acaba o clima de festa nas ruas de...
Leia Mais