O que ninguém te conta sobre morar em Lisboa

Ribeira das Naus, Lisboa. Foto: Flávia Motta / Almost Locals
Ribeira das Naus, Lisboa. Foto: Flávia Motta / Almost Locals

Lisboa está na moda, e não só entre os turistas. Nos últimos dois anos, tem crescido bastante o número de brasileiros que, decidindo trocar o Brasil por outro país, vêm morar em Portugal, muitos aportando em Lisboa. E a cidade é mesmo incrível: solar, cosmopolita, rica em história e vida cultural, cheia de energia. Com tudo isso, não faltam revistas, jornais, blogs e canais de YouTube vendendo o sonho dourado de morar em Lisboa. Mas sejamos honestos: morar em Lisboa pode ser tão delicioso quanto complicado. E é para trazer algumas verdades sobre morar em Lisboa que escrevemos esses post.

Cinco hábitos que eu mudei quando vim morar em Lisboa

Morar em Lisboa, no Centro, não é barato

Lisboa já foi um lugar bem barato de se morar, mas a especulação imobiliária crescente e a turistificação de algumas regiões têm impactado diretamente os valores dos aluguéis. Se já foi possível encontrar quarto-e-sala no charmoso Príncipe Real por 400 euros, hoje em dia esse valor não paga nem o aluguel de um quarto numa casa compartilhada na região. Há bairros em que simplesmente não há oferta de imóveis para aluguel residencial, apenas turístico.

Além disso, os imigrantes ainda têm outros empecilhos com relação a aluguel: sem fiador e/ou comprovação de renda, acabam tendo que se sujeitar a preços mais altos, adiantamento de aluguéis e ainda à boa vontade dos senhorios, porque há quem não alugue sua casa para brasileiros.

Recentemente uma amiga brasileira se viu obrigada a desembolsar 6 mil euros de uma só vez para garantir o aluguel do apartamento que queria. Uma outra viu um anúncio publicado às 9h, ligou às 9h30, às 13h estava visitando o apartamento com mais seis casais e ali na hora mesmo precisou fazer sua proposta de aluguel. Quer mais histórias assustadoras sobre alugar em Lisboa? Tem proponente indo visitar imóveis com o dinheiro na mão para já fazer proposta com um pagamento adiantado; tem senhorio que faz leilão e aluga para quem oferece mais; tem gente que só aluga sem contrato registrado, o que deixa o inquilino numa situação não muito estável.

Seis respostas para perguntas sobre morar em Portugal

É claro que se pode morar nos arredores de Lisboa, bairros mais afastados do Centro ou cidades vizinhas. O bom disso é que os valores de aluguéis são mais baixos. O ruim é que os transportes para fora do Centro são menos eficientes, com menor frequência, funcionando em horários reduzidos e, dependendo da zona, o passe mensal fica mais caro, podendo chegar aos 89 euros mensais.

Se sua ideia é ter um carro, prepare-se para o trânsito de Lisboa (mais chatinho no Centro), para a caça às vagas, e para fazer uma nova carteira de motorista, que pode custar entre 60 e 300 euros, dependendo do seu caso. É que, pela lei, brasileiros só podem usar a habilitação brasileira em território português nos seis primeiros meses da estadia.

Regularizar sua situação de imigrante está cada vez mais complicado

O Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) simplesmente não está dando conta do volume de estrangeiros tentando se regularizar no país. O resultado disso é que várias pessoas que estão em condições de ficar legalmente acabam ficando irregulares por um período devido à morosidade dos processos de regularização.

Faltam funcionários no SEF e faltam horários de atendimento. Não raro uma pessoa faz seu agendamento, comparece ao SEF, não é atendido e, ao fim do expediente do SEF, recebe uma remarcação, muitas vezes para um mês depois. Isso sem contar o desencontro de informações, fazendo com que o imigrante muitas vezes tenha seu processo prolongado porque os funcionários do SEF deram orientações incorretas.

Há centenas de brasileiros (e outros imigrantes, claro) neste momento em Lisboa em situação irregular esperando a conclusão dos seus processos de regularização e com a vida em suspenso, sem poder tirar documentos, trabalhar, abrir conta em banco ou tratar de outras questões essenciais.

Estudar em Portugal: mitos e verdades

A oferta de emprego é muito restrita

Uma das características da nova onda de migração de brasileiros para Portugal é que eles são mais qualificados do que os que vinham em outras épocas. O que as muitas reportagens sobre o tema não contam é que não há emprego à altura dessa qualificação. Não há muitas vagas de trabalho, e boa parte delas é em serviços, como teleatendimento, restaurantes, bares e comércios. Some-se a isso a grande quantidade de trabalho precário oferecida, com baixos salários, contratos temporários, em empresas terceirizadas (aqui conhecidas como outsourcing) ou por recibos verdes (recibos emitidos por pessoa física ao contratante). E, claro, ainda há criminosos que oferecem empregos inexistentes e cobram taxas para que o funcionário comece a trabalhar e também empresas de fachada para negócios bem mais escusos.

Ainda pesa contra nós o fato de sermos estrangeiros disputando vagas com os locais e nossa formação educacional. Muitas profissões só podem ser exercidas depois da validação do diploma, outras exigem conhecimento da cultura local para serem bem executadas. Isso sem falar que em Lisboa, quase todo mundo fala inglês (quando não fala ainda uma terceira língua) e isso nem é um diferencial no seu currículo, mas um item básico.

Mitos e verdades sobre os portugueses (parte 1)

De volta à questão salarial: o salário mínimo em Portugal, de 557 euros brutos, é um dos menores da Europa. Ainda que vagas um pouco mais qualificadas ofereçam salários um pouco melhores, a média não costuma ir muito além dos 800 euros mensais. Quando a empresa oferece benefícios, normalmente é subsídio de alimentação e, às vezes, plano de saúde. O lado bom, se você tiver um contrato formal de trabalho, é que em Portugal pagam-se 14 salários por ano (subsídio de férias e subsídio de Natal).

Para profissionais da área de TI a situação é outra, como no mundo todo, em geral. Esse mercado tem um número relativamente alto de vagas e os salários são melhores quando comparados com outros nichos, mas ainda assim mais baixos que em outros países europeus. No entanto, muitas empresas não querem se comprometer em trazer do Brasil um profissional, tanto pela responsabilidade que isso implica quanto pela burocracia necessária para regularização do estrangeiro em território português.

O que eu costumo dizer é que o melhor caminho para quem vem morar em Lisboa é vir com planos de empreender. Abrir um negócio aqui é bem menos burocrático que no Brasil, mas não se engane: não vai ser fácil. Tanto para identificar a oportunidade ideal, arcar com os custos e conquistar a confiança dos clientes,é preciso paciência e perseverança. Quem vem com pressa de fazer dinheiro tem grandes chances de se decepcionar (e eu nem estou falando de fazer dinheiro a sério, mas o suficiente para viver com conforto).

Ter um passaporte português não faz de você ‘um deles’

Pode ser complicado entender isso, mas os brasileiros que têm cidadania portuguesa só se tornam portugueses perante a lei. O que, sim, facilita um bocado a vida. Mas, na prática, a gente continua mesmo brasileiro: no sotaque, na cultura, nos relacionamentos. Por isso, ter um passaporte português não te livra de viver a rotina na condição de estrangeiro.

O passaporte te permite ter toda a documentação necessária aos portugueses, mas pode haver funcionários públicos que, a despeito disso, dificultam sua vida como à dos estrangeiros. Recentemente, uma brasileira com cidadania portuguesa ganhou notoriedade com um relato de hostilização e xenofobia por parte dos funcionários do metrô do Porto e também da Polícia. O passaporte português também não impede que, na busca por imóveis, o senhorio ouça seu sotaque brasileiro e se recuse a te mostrar o apartamento.

Mitos e verdades sobre os portugueses (parte 2)

O mesmo passaporte português não vai impedir que alguns portugueses (uns até bem intencionados, outros nem tanto) corrijam seu vocabulário e até sugiram que você leia alguns clássicos da literatura portuguesa para melhor seu nível na língua. E certamente não vai impedir que reclamem com você sobre o Novo Acordo da Língua Portuguesa como se fosse você o responsável pelo projeto.

Esse é um post para desencorajar sua decisão de morar em Lisboa? De forma alguma! Esse é um post realista para que você venha morar em Lisboa sabendo um pouco melhor o que te espera. Há pouco mais de dois anos morando em Portugal, eu já perdi a conta de brasileiros que tiveram que voltar ao Brasil porque não conseguiram se encaixar na rotina em Lisboa ou porque vieram com expectativas inatingíveis nessa cidade. Lisboa é linda, é apaixonante, é o lugar onde me encontrei, mas não é bolinho não, gente!

12 razões por que me apaixonei por Lisboa

Todas as situações citadas nesse post são reais e foram vividas por mim ou por pessoas próximas.

Comments

comments

Tags desse artigo
,
Escrito por
More from Flavia Motta

LIS: Vinhos portugueses para você comprar por menos de 10 euros

Eu lembro da primeira vez em que estive na França e me...
Leia Mais

10 Comentários

  • Texto muito bem escrito sou português e namorada brasileira , vivemos juntos ha 2 anos e sei perfeitamente o que ela passa e passou e o que eu passei,agora já está tudo mais calmo mas a frase que ela só dizia na altura era “só quero que me deixem estudar e trabalhar”. Agora já brincamos com a situação zuka é aqui o que tuga é lá fora por isso nunca vamos estar bem em lado nenhum kkkk bom texto mais uma vez… ahhh e só mais um detalhe as casas não estão caras só para quem vem de fora basicamente até os portugueses tao a ser “expulsos” do centro de lisboa para a periferia… tudo por causa dos alojamento turisticos renderem mais aos senhorios. Saudações e bom trabalho

    • Oi Leonardo, obrigada pelo seu comentário. Relativamente às casas, sei que a dificuldade não é só para os estrangeiros. Esperemos que nas próximas autárquicas alguém surja com uma boa resposta para esse problema. Abraço. 🙂

  • Muiti bom Flavia! Exatamente isso. Eu fui uma das que fui morar ai em 2015 mas acabo de voltar p Brasil… é muito bom e muito ruim… bjs

  • Sinceramente, já estive em Lisboa por algum tempo e não vivenciei nem metade do que está escrito neste post. Gostaria de ententer qual a real intenção da colocação dessas informações?!

    • Oi Fernando, eu também não vivenciei nem metade. Não sei se notou, mas ao fim do post eu digo que as situações citadas foram vividas por mim e por pessoas conhecidas. Também não sei se você tem acompanhado o crescente número de publicações na imprensa brasileira sobre pessoas que têm trocado o Brasil por Portugal e que, infelizmente, focam apenas no lado bom de ser viver aqui, como se fosse tudo correr às mil maravilhas. Quem vive em Lisboa sabe que não é bem assim. Que tem bônus e ônus como tudo na vida. A intenção desse post foi apenas abordar um tema que não tem sido tão falado na mídia.

      Abraço

  • Gostei td real, porém qq lugar que tenhamos a pretensão de viver fora do país de origem seremos estrangeiros. Wiem pensa o contrario vai quebrar a cara. Mais penso que a segurança não tem preço. Hoje no Brasil vivemos presos em casa e a bandidagem a vontade pelas ruas. Hoje quem vive no Brasil como eu só temos deveres, medo e indignação.

  • Vivo desde 98 nessas terras de Camões, como não alterei meu sotaque, dou fé no relato explanado. Não parece tão complicado, na também não é nenhum quindim, traga coragem, força e fé, paciência principalmente. A cidade de Lisboa tem se tornado caríssima, aos poucos deixa de ser atrativo para imigração familiar, sendo interior talvez a melhor oração, para os solteiros aventureiros, hoje em dia para bolso está muito mais limitado. Pra viver é bom, depende do foges, ou do que procura como modo de vida, pra juntar dinheiro, esquece, já foi o tempo, dos escudos, e foi bom. Porque ainda estou aqui, comodismo laboral, e facilidade de ir e vir Europa afora. Pra quem chega, sejam todos bem vindos e mãos a obra, pois parado não dá pra ficar, aqui todo menino virá homem, e aprende a valorizar a simplicidade do ser comum, um qualquer como todos que paga seus impostos. Um bem haja!

Os comentários estão fechados