Um hotel em Viena que emprega refugiados

O tema dos refugiados é delicado e complexo, mas esse hotel em Viena decidiu agir da melhor forma possível: dando trabalho e oportunidades para quem vem em busca de uma vida mais digna na Europa. E de quebra, ainda oferece um lugar super cool para se hospedar na capital austríaca, com conceitos e soluções para lá de bacanas.

O Magdas Hotel fica dentro de uma antiga casa de repouso, cedida pela Caritas Viena, parceira do projeto. Como casas de repouso têm a mesma disposição de um hotel (quartos com banheiro individuais, grandes restaurantes, cozinhas industriais e áreas comunais), as obras estruturais foram poucas. O desafio foi encontrar soluçõesbaratas que deixassem o lugar com uma cara descolada. E os arquitetos conseguiram, porque o hotel é uma graça, com uma decoração criativa e surpreendente.

Como armários de hotel são caros, as araras dos quartos são feitas de compartimentos superiores de trem, cedidos pela OBB (empresa de trens da Áustria). Lockers de aço, daqueles que a gente vê em filmes de high school americano, viraram armários horizontais no restaurante para guardar pratos e afins. Móveis antigos do asilo foram desfeitos e transformados em mesinhas. As portas viraram espelhos enormes no lindo restaurante do hotel, que mantém um maravilhoso piso esmeralda de ladrilhos hidráulicos originais. Grande parte dos móveis, dos anos 50, 60 e 70, foi doada pelos vizinhos e a própria Caritas. Algumas poltronas de veludo parecem ter saído diretamente do filme “Adeus, Lenin”, de tão estilosas que são. O resultado é lindo visualmente, dando muito caráter e um ar vintage maravilhoso ao Magdas. Alguns artistas contribuíram para o projeto, cedendo seus quadros para decorar os quartos. Em 2019, as obras vão a leilão, para serem reinvestidas no hotel.

Foto: Peter Barci
Foto: Peter Barci

O hotel emprega 20 refugiados, de diversas partes do mundo. A parte rica e interessante disso tudo é que essas pessoas têm vivências culturais, idiomas e especialidades distintas, trazendo diversidade e uma riqueza social enorme para esse hotel em Viena. O café da manhã do restaurante, por exemplo, mistura a oferta comum de sempre (ovos, bacon, queijos) com pratos típicos de acordo com a nacionalidade de quem está na cozinha. Rolam delícias do Oriente Médio, África e outros cantos do mundo. Toda quarta, rola um jantar no estilo fine dining, com um menu de 10 passos, onde cada prato é de um lugar diferente do planeta. Cada um custa 5 euros. Além disso, o hotel promove um social dining, onde refugiados e locais se encontram para comer e discutir causas sociais. O Magdas quer promover a diversidade e a mente aberta!

Foto: Peter Barci
Hotel em Viena
Foto: Peter Barci

O resto do staff é formado por outras 10 pessoas, que já têm experiência em hotelaria. No hall, existe uma caixinha de correios simpática, com o nome de “Magdas Academy”. Lá, doações são aceitas para ajudar os empregados a terem cursos de formação e aulas de alemão e inglês.

A comunidade é um outro fator importante no funcionamento do Magdas. Os vizinhos se reúnem semanalmente no hotel, para fazer trabalhos manuais de manutenção e decoração. Os abajures, por exemplo, são feitos de crochê e produzidos por homens e mulheres que moram na área. Uma hortinha também é mantida por eles no jardim, com algumas aromáticas, frutas e verduras.

O Magdas Salon. Foto: Peter Barci

Parte do charme e do encanto do Magdas é esse jardim externo, cheio de mesinhas coloridas e uma churrasqueira, que bomba na primavera e no verão, com festinhas e eventos frequentados não só pelos hóspedes, mas também por locais. Sentei por ali e pedi um sanduíche, enquanto pegava um sol com vistas para o parque Prater, que fica literalmente em frente ao Magdas. Resumindo, esse hotel em Viena é pura good vibes!

Foto: Peter Barci

Esperamos que iniciativas como essa apareçam mais pela Europa, utilizando boas idéias, senso de comunidade global/local e claro, espaços abandonados cheios de potencial social, ao invés de abrir mais uma Zara ou H&M.

As diárias do Magdas Hotel em Viena custam a partir de 67 euros e além de ficar em um hotel bacana, de cara para um parque enorme cheio de biergartens e perto do centro, é uma oportunidade de ajudar e conhecer mais esse projeto maravilhoso. Spread the word!

Comments

comments

Tags desse artigo
More from Sarah Oliveira

BCN: Galeria Cosmo, café fofo e galeria de arte

A Rua Enric Granados é cheia de restaurantes bacanas, mesas na calçada...
Leia Mais