Os dez mandamentos do cervejeiro na Bélgica

Foto: CDDinosaur, direitos reservados, https://www.flickr.com/photos/cddinosaur/3456475021

Você comprou seu bilhete que garante acesso ao paraíso cervejeiro que é a Bélgica e não vê a hora de desembarcar na capital da União Europeia e começar sua aventura etílica. Nós conhecemos bem essa sensação. E também alguns erros e acertos na hora de provar sua cerveja belga. Se você tem a Bélgica nos seus planos de viagem, dá cá a mão e vem conferir nossas dicas para tirar o melhor proveito possível da sua temporada ‘belgo-cervejística’.

10 motivos para visitar a Bélgica agora mesmo

1. Não pensarás que o Delirium Café é onde os locais bebem.

O Delirium é uma referência mundial em cerveja. Também, pudera, a casa tem uma carta de cervejas com mais de 2000 rótulos. Mas não é só: são vários andares e salas com atmosferas diferentes para você provar suas cervejas belgas (ou não) no clima que melhor combinar com você. Tem o subsolo roquenrol, o salão dedicado aos chopes e ainda uma sala em clima cool jazz. Isso sem contar os bares da marca que vendem outros tipo de bebidas e compõem, juntos o Delirium Village. Deu uma ideia do que esperar, né? Pois só não espere muitos locais por lá. Com tantos atrativos – e fama mundial – o bar lota de turistas de diversas nacionalidades. Se quiser beber entre os locais, leia o segundo mandamento.

Delirium Café, em Bruxelas. Foto: Jamie Lantzy - Own work, CC BY 3.0, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=8670020

Delirium Café, em Bruxelas. Foto: Jamie Lantzy (own work), CC BY 3.0

2. Entrarás em qualquer bar sem medo de errar

Uma coisa é certa na Bélgica: qualquer bar tem boa cerveja. Mais de uma, claro. Por isso, a melhor forma de se misturar com os locais é entrar sem medo em qualquer bar, em especial os mais afastados de pontos notórios, como a Grand Place. Alguns serão apenas mais um bar com cervejas ótimas. Outros podem se revelar grandes descobertas, como o Poechenellekelder, um bar com temática de marionetes que, apesar de ficar de cara para a estátua do Manneken Pis, tinha uma frequência maciçamente local. Não sabe o que é o Manneken Pis? No décimo mandamento a gente explica.

3. Não beberás pilsen

Primeiramente: nada contra a pilsen. Segundamente: você não vai até a Bélgica para beber uma cerveja tão simplesinha, né? Aproveite a viagem para provar não apenas as trapistas – que fizeram a fama da Bélgica entre os cervejeiros – mas aquelas belgas que não chegam ao Brasil e, em especial, as cervejas que os belgas fazem com maestria. Já vamos a elas.

4. Provarás uma kriek

Vamos explicar logo para você não se sentir enganado: a kriek é uma cerveja de cereja. Mais precisamente, de ginja, uma cereja bem comum também em Portugal. Assim, a kriek é uma cerveja de cor vermelho intenso, com aroma de cereja e gosto de cereja. Apesar disso, não é uma cerveja doce. Na dúvida se é para o seu paladar, divida uma com alguém ou peça uma provinha pro bartender. Um dos lugares que faz boas krieks é a cervejaria Cantillon, que pode ser visitada, em Bruxelas.

Bar Poechenellekelder, em Bruxelas. Foto: By Michel wal (Own work) [GFDL (http://www.gnu.org/copyleft/fdl.html) or CC BY-SA 3.0 (http://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0)], via Wikimedia Commons

Bar Poechenellekelder, em Bruxelas. Foto: Michel Wal (own work) CC BY-SA 3.0, via Wikimedia Commons

5. Não reclamarás do sabor da gueuze

Se é impossível confundir uma kriek com uma cerveja belga mais comum, com as gueuzes é fácil cair numa cilada, Bino. A gueuze é um tipo de lambic, que foi a primeira cerveja de que se tem registro na história, e tem um sabor bem particular por conta do seu processo de produção, com leveduras selvagens. O resultado é um sabor com toque ácido, que nem todo mundo aprecia. O bar centenário A La Mort Subite, em Bruxelas, tem sua própria gueuze e outras lambics na carta de cervejas. Vale provar (e vale não gostar também, mas pelo menos você provou).

6. Não dirás que a cerveja está quente

Esse mandamento só está aqui porque, né, não custa lembrar. Mas se você já está iniciado no mundo das boas cervejas sabe que esse papo de ‘estupidamente gelada’ é para a baixa temperatura deixar suas papilas gustativas desorientadas e não perceberem bem o sabor (ou a falta dele) – por isso só cerveja ruim repete esse mantra.

Garrafas de Westvleteren. Foto: By Guy Sie from Utrecht, Netherlands (Westvleteren Blond, 8, 12) [CC BY-SA 2.0 (http://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.0)], via Wikimedia Commons

Westvleteren Blond, 8 e 12. Foto: Guy Sie de Utrecht, Holanda, CC BY-SA 2.0, via Wikimedia Commons

7. Participarás de uma ‘caça ao tesouro’: garrafas de Westvleteren

A Westvleteren é a grande estrela das trapistas belgas. Muito pelo sabor, claro, mas mais ainda pelo folclore em torno da cerveja. Em teoria, garrafas de Westvleteren só podem ser compradas diretamente na abadia em visita pré-agendada, existe um limite de cervejas a serem compradas por pessoa, você não pode comprar um outro lote em menos de 60 dias e se compromete a não revender as garrafas compradas. Essa é a expectativa. A realidade é que, com discrição, você pode perguntar nas lojas de cervejas se não haveria, assim, uma garrafinha de Westvleteren perdida no depósito. Foi assim que consegui as minhas.

8. Levarás umas garrafas de DeuS para casa

A DeuS fica a meio caminho entre a cerveja e o champanhe por conta do seu método de produção, que segue o estilo da bebida francesa. No Brasil uma garrafa não sai por menos de R$ 200. Na Bélgica você vai comprar por algo perto dos 15 euros – uma oportunidade a não perder, mesmo com o câmbio desfavorável.

9. Não beberás de barriga vazia

É muito fácil, na Bélgica, esbarrar numa cerveja com teor alcoólico de 8%. Por isso, se você não quer curtir uma ressaca pesada durante a sua estadia ou só lembrar da Bélgica pelas fotos, tenha certeza de estar com sua barriguinha cheia. Felizmente há uma boa oferta de chocolates, mexilhões com fritas e outras delícias no país.

O que fazer em Bruxelas: onde comer

Manneken Pis. Foto: By Pbrundel (Own work) [GFDL (http://www.gnu.org/copyleft/fdl.html) or CC BY-SA 3.0 (http://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0)], via Wikimedia Commons

Manneken Pis. Foto: Pbrundel (own work) CC BY-SA 3.0, via Wikimedia Commons

10. Não imitarás o Manneken Pis

Manneken Pis significa, literalmente, ‘garoto a urinar’. E o monumento (mais sem graça do universo) é essa estátua da foto, de um menino com cara de safadinho fazendo xixi com o pinto pra fora sem o menor pudor. Se na estátua há quem ache engraçado, na vida real não tem piada alguma fazer xixi na rua, ainda menos mostrar as partes por aí.

Foto em destaque: CDDinosaur, direitos reservados

Curta Almost Locals no Facebook e não perca nenhum post.

Siga Almost Locals no Instagram e saiba por onde andamos.

 

 

Comments

comments

Tags desse artigo
Escrito por
More from Flavia Motta

Comida brasileira em Lisboa? A chef Juliana Magalhães faz, com sabores portugueses

Chef à frente de um restaurante de fusão de comida brasileira e...
Leia Mais