Almost Tourists: Visita express a Sevilha

Os andaluzes adoram fazer graça dizendo que são os legítimos espanhóis. Aqueles do flamenco, das belas mulheres, da simpatia, do calor infernal e da comida que encanta. Brincadeiras à parte, a verdade é que a Andaluzia tudo tem uma identidade muito própria e Sevilha, a principal cidade andaluza, é o reflexo perfeito disso tudo.

Sevilha já fez parte da Espanha muçulmana (Al Alndalus) e também foi o centro econômico do Império Espanhol. Essa mistura de influências tão diferentes criou uma cidade que tem todo o requinte da realeza mas também toda a força da cultura árabe, que se reflete principalmente na arquitetura. Além disso, Sevilha também é uma cidade de bares, de gente na rua o tempo todo, de simpatia e clima amigo o ano inteiro.

Por ser uma cidade pequena para o padrão São Paulo de grandeza, é super possível conhecer Sevilha em dois ou três dias. Se o tempo é curto, vale anotar os rolês obrigatórios para não perder nada:

Real Alcazar: Um conjunto de palácios e jardins de influências árabes, renascentistas e góticas, que além de ser Patrimônio da Unesco, é também cenário de um dos reinos de Game of Thrones (bem-vindo a Dorne). Um lugar lindo, imponente e inspirador. Vale pegar um áudio guia e se perder pelos corredores e jardins para entender um pouco dessa mistura toda de culturas.

Os jardins do Real Alzacar em Sevilha

Catedral de Sevilha e La Giralda: Se você gosta de uma igreja, a Catedral de Sevilha é um passeião: ela é a maior catedral gótica do mundo, com toda a sobriedade e força que isso supõe. Ao lado, a La Giralda é uma torre moura que é o símbolo da cidade e que oferece vistas lindas.

A Catedral de Sevilha e a torre La Giralda.
A Catedral de Sevilha e a torre La Giralda

Rio Guadalquivir: É o rio que corta a cidade e é a “praia” dos sevilhanos. Bote os pézinhos para funcionar e cruze a ponte de Triana, que leva para o bairro de mesmo nome. Triana tem jeito e alma de “pueblo” (as pequenas cidades espanholas), com um mundo de bares na beira do rio. O bar Puerto de Cuba tem uma atmosfera mais arrumadinha, com um deck e sofás à beira do rio.

Show de flamenco: O flamenco nasceu na Andaluzia e assistir a um show de flamenco em Sevilha é dever de casa. Pipocam teatros e shows pela cidade inteira com preços e qualidade que variam muito. Uma amiga sevilhana me indicou o La Casa Del Flamenco e eu adorei. Preço amigo, ambiente intimista e bailarinos incríveis. Arrepiei até o dedinho do pé.

Plaza de España: um imenso monumento arquitetônico criado para a exposição Iberoamericana de 1929. Quando digo imenso, é imenso mesmo: 50 mil metros quadrados de torres, esplanadas e até um canal por onde passam barquinhos “pega turista”. Mas é muito turístico? Sim. Vale a pena? Vale dar uma passada e tirar uma foto para mandar para a mãe. Adorei os azulejos incríveis que se espalham pela construção e retratam cada uma das províncias espanholas.

Plaza de españa: turístico pero lindo
Plaza de españa: turístico pero lindo

Bônus por ter chegado até aqui: se você é botequeiro, vai ver que Sevilha tem quase um bar por habitante. Os bairros mais famosos para o seu tour etílico são Santa Cruz, Arenal e Alameda (bairro mais jovem, com pegada mais hiponga e bares muito baratos).

Siga Almost Locals no Instagram
Não perca nenhum post Almost Locals no Twitter
Acompanhe a página Almost Locals no Facebook

Comments

comments

Tags desse artigo
,
More from Amanda Foschini

Expressões básicas em Catalão for dummies

Aulinha rápida de geopolítica: a Catalunha é uma das 17 comunidades autônomas...
Leia Mais